Cadê a jornada de 30h na área de saúde?

Desde o pomposo anúncio da intenção de implementar a jornada de 30h na área de saúde, (em reunião ampliada no Ginásio da Unicamp), já se passaram mais de 3 meses e nenhuma linha de posicionamento oficial foi apresentado pela reitoria sobre a mudança. O Grupo de Trabalho criado pela reitoria até agora não disse a que veio. Ninguém sabe se já se reuniu. E muito menos o que se discutiu. Por que o segredo? Por que não debater com os maiores interessados? Por que não agir de forma transparente?

Os trabalhadores da área de saúde, diante deste silêncio, vivem angústias e boatos. Não se definiu as categorias que serão atingidas pela proposta. Não se apresentou as perspectivas de adequação do quadro funcional. Não se apresentou prazos. Enfim… Nas questões em que não se pode fazer de desentendida, como isonomia ou 30h, a reitoria Tadeu cede benefícios a conta-gotas, na tentativa de garantir o máximo de estabilidade política e silêncio do movimento sindical.

Os trabalhadores da Unicamp não podem se deixar enganar. As promessas de “diálogo” não significam que as demandas dos trabalhadores são priorizadas por esta reitoria, que nem nova é. Diálogo sem resultados é apenas enrolação. O projeto tucano/petista de universidade privatizada segue agora com nova roupagem. Como ficou
claro na relação desta reitoria com a terceirização, Tadeu e Álvaro viraram, mais uma vez, as costas aos problemas denunciados pelas trabalhadoras da CENTRO e da FUNCAMP.

Chega de enrolação e falta de transparência! O único caminho das conquistas é a luta. Vamos à Luta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *